Pular para o conteúdo
O Blog de saúde | Suplementos esportivos

Opções de tratamento para o refluxo ácido

Última atualização: 23 Setembro de, 2017
Por:

As mudanças no estilo de vida são o primeiro passo para o tratamento bem sucedido da DRGE. Recomenda-Se comer pequenas porções de alimento, várias vezes ao dia em vez de comer em excesso, duas ou três vezes ao dia...

Opções de tratamento para o refluxo ácido

O que é o refluxo ácido? A comida viaja através do esôfago para o estômago. Na sua extremidade, o esôfago é estreita devido a um esfíncter (muscular concêntrico) situado na parede de seu.

Supõe-Se que este músculo evita que os alimentos saem do estômago e voltem para o esôfago. Quando o esfíncter se torna mais fraca do que de costume, permite o refluxo do conteúdo do estômago no esôfago, produzindo os sintomas da doença de refluxo gastro-esofágico (GORD). Isso ocorre por causa das diferenças na constituição da mucosa esofágica e do estômago. Ou seja, a mucosa esofágica é muito mais sensível aos ácidos, e o refluxo ácido pode levar ao dano.

O que causa o refluxo ácido?

Uma sensibilidade inata ao enfraquecimento do esfíncter com a idade é uma das causas que não podem ser controladas. Por outro lado, os fatores de risco modificáveis incluem:

  • Comer demais
  • Deitar depois de comer
  • Obesidade
  • Comer à noite
  • Comida picante
  • Beber muito café
  • Fumar
  • Gravidez
  • Certos medicamentos (aspirina ou AINES).

Alguns destes fatores aumentam a acidez do conteúdo de seu estômago (café, drogas), enquanto que os outros aumentam a pressão abdominal, empurrando assim o conteúdo do estômago para cima, de volta para o esôfago.

Sintomas de DRGE

O principal sintoma da DRGE é a azia (pirosis), que é uma dor ardente na parte superior do abdómen ou no peito. Às vezes, pode-se sentir até na garganta. Esta dor pode ser muitas vezes mal entendido, como dor cardíaca, especialmente em pacientes com condições cardíacas existentes (Angina Pectoris). Outros sintomas incluem excesso de arroto, inchaço, náuseas e vômitos. Se a ingestão de alimentos se torna difícil devido ao estreitamento do esfíncter mencionado anteriormente, uma pessoa pode perder peso extra. A dor de garganta, crônica e mau hálito podem sentir-se devido ao conteúdo de estômago devolvido.

Além de produzir estes sintomas desagradáveis, a DRGE é perigosa, porque representa um fator de risco potencial para o desenvolvimento de câncer de esôfago.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito através de radiografia de contraste de bário, monitorização do pH esofágico e outras técnicas, mas uma endoscopia com biópsia de as alterações observadas representa um padrão de ouro. Uma endoscopia implica engolir um tubo endoscópico com uma câmera em sua parte superior, que é conduzido através do esôfago até a união com o estômago, para que as alterações podem ser visualizados.

Opções de tratamento

As mudanças no estilo de vida são o primeiro passo para o tratamento bem sucedido da DRGE. Recomenda-Se comer pequenas porções de alimento, várias vezes ao dia em vez de comer em excesso, duas ou três vezes ao dia. Fumar deve ser removido como um fator de risco comprovado. Você não deve comer pelo menos duas horas antes de se deitar, e evitar o uso de roupas que colocar pressão no abdômen (por exemplo, cintos estreitos). Aumente o seu nível de atividade física, especialmente se você é obeso.

O tratamento medicamentoso inclui medicamentos que reduzem a acidez do conteúdo gástrico (Antiácidos), mas normalmente não ajudam em casos graves. O bloqueadores H2 são utilizados em casos moderados a graves e agem bloqueando os receptores de histamina no estômago, evitando assim a produção de ácido. O Inibidores da bomba de prótons (bloqueadores H +) são um outro grupo de medicamentos destinados ao mesmo propósito, mas mais potentes do que os bloqueadores H2. Todos estes medicamentos devem ser prescritos por seu médico, depois de um exame detalhado.

O tratamento cirúrgico é reservado para os casos mais graves, e inclui um procedimento chamado de fundoplicatura. Uma parte do estômago (fundo) junta-se a parte final do esôfago, criando assim uma válvula que impede que o conteúdo do estômago volte para o esôfago. Novas abordagens incluem a colocação de dispositivos LINX em torno da parte final do esôfago, que usa a distribuição concêntrica dos ímãs para estreitar a entrada no estômago e prevenir o refluxo ácido.

Partilhar
Tweetar
+1
Partilhar
Pin
Stumble